A Conferência

A 27 de Fevereiro, no Grande Auditório da Culturgest, decorreu a primeira Conferência GPA de 2014. “Inovação e Sustentabilidade nas Cidades do Futuro” foi o tema de uma tarde de debate e reflexão, na qual participaram cerca de 400 convidados, que também puderam assistir à entrega dos Prémios EBAEpis 2013. O encerramento da conferência ficou a cabo do Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Professor Miguel de Castro Neto.


O Papel das Cidades Sustentáveis na construção de um País Competitivo

O primeiro painel da tarde foi moderado por Celso Filipe, Subdirector do Jornal de Negócios, e teve como convidados Afonso Lobato Faria, Ana Trigo Morais, José Melo Bandeira e Miguel Moreira, num debate bastante dinâmico.

Afonso Lobato Faria, afirmou que os cidadãos vão pagar pelos resíduos que consomem: “Na Suíça, os moradores de um determinado prédio têm uma espécie de cartão multibanco que devem utilizar sempre que pretendem colocar os resíduos na reciclagem. Esse lixo é pesado e, consoante este valor, eles vão pagar mais – ou menos – no final do mês.”, Este foi o exemplo mencionado pelo Presidente da Águas de Portugal para demonstrar o futuro dos resíduos.

Para Ana Isabel Trigo Morais o comércio tem um factor de proximidade com o consumidor e, por isso, pode contribuir para a sua mudança comportamental, no sentido de um maior apelo ao consumo sustentável.

“O consumidor português é sensato”, frisou a Directora-geral da APED. “O consumo sustentável é fundamental para o sector da distribuição, por isso o factor de proximidade do comércio pode contribuir para esta mudança comportamental”, avançou a responsável.

“Portugal tem feito um excelente trabalho no sentido de dotar as suas cidades de características sustentáveis” afirmou o administrador-delegado da Dalkia, José Melo Bandeira – “Temos hoje sistemas de resíduos que já levam praticamente zero para aterro”, avaliou.

O gestor da Dalkia deixou uma dica: “Sabem as quotas de CO2 para as empresas? Elas serão substituídas por quotas de CO2 individuais. Quando acordamos, de manhã, vamos ter de escolher entre ir de carro para o trabalho ou tomar banho”, frisou.

Para o Administrador do Grupo PT um dos grandes pilares das cidades sustentáveis será o da tecnologia. De acordo com Miguel Moreira, esta pode “responder muito bem” aos desafios das cidades do futuro, quer ao nível da melhoria das condições de vida ou eficiência dos recursos.

O administrador falou também da ausência de estratégias de teletrabalho nas empresas: “O chamado commute to compute é ridículo. Nas cidades, há pessoas que se deslocam 30 quilómetros todos os dias para ficarem horas em frente ao computador. Elas podiam estar a fazer o seu trabalho muito mais perto de casa”, concluiu Miguel Moreira.

Assista aos vídeos da conferência aqui.


Os desafios das cidades do futuro: Economia, Sociedade e Ambiente

O segundo painel da tarde contou com a moderação de Carla Castelo, Jornalista da SIC e Coordenadora do programa Economia Verde que teve como convidados Almeida Henriques, Carlos Carreiras e Gil Nadais, presidentes das Câmaras Municipais de Viseu, Cascais e Águeda, respetivamente.

“Devemos apostar na glocalização, sermos competitivos” começou por explicar Carlos Carreiras.

O Autarca defendeu que “Cascais tem capacidade de ser o melhor local para se viver um dia, uma semana ou a vida inteira”.

Preocupado com as más politicas ambientais praticadas, Carlos Carreiras conclui que “O ar das nossas Cidades é mau mas, como ainda não se deu um valor económico ao ar, ninguém se preocupa.”

“A autarquia participa em certames internacionais com vista a promover o que de bom é feito na cidade”, refere Gil Nadais.

O Presidente da Câmara Municipal de Águeda continua por referir que “Desburocratizar os processos aos munícipes é uma aposta de Águeda”.

O autarca referiu as boas práticas ambientais praticadas pela autarquia, que desenvolveu um serviço de bicicletas eléctricas de uso partilhado e que participa em certames internacionais com vista a promover o que de bom é feito na cidade.

O Presidente da Câmara Municipal de Viseu começou por explicar que “Viseu aposta muito no sector de comércio e serviços como atractivo”. “O nosso (de Viseu) grande desafio é o de criar mais valor. Temos de tirar partido do centro histórico, por exemplo” continuou Almeida Henriques.

O autarca concluiu ao afirmar “Estamos a estimular as pessoas para se fixarem no litoral, aproveitando a componente agrícola”.

Assista aos vídeos da conferência aqui .


Prémios EBAEpis 2013

Consulte a lista de Vencedores do EBAEpis 2013 aqui .


 

Sessão de Encerramento pelo Prof. Miguel de Castro Neto

“São conferências como estas que garantem o reconhecimento do mérito e das boas práticas de Portugal” começou por dizer o Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza.

Miguel de Castro Neto afirma que “Temos recursos naturais vantajosos para a produção de energias renováveis e infraestruturas já construídas”.

“A Reabilitação Urbana deve ser encarada como uma oportunidade para o desenvolvimento económico” continuou Miguel de Castro Neto.

Para encerrar a conferência, o Secretário conclui que “O desenvolvimento de Portugal passa pelas suas cidades e por um novo modelo assente na Economia Verde”.

Assista ao vídeo da conferência aqui.